Poema

O jardim e a coerência

 

A coerência é uma flor
que não dá em qualquer jardim,
principalmente onde
a lógica vale capim.
Pois nesse, os nutrientes,
só bastam para sementes
do mato todo alastrado,
que impede a flor de nascer,
que sufoca o florescer
do bem que seria plantado.

A mente que se atravanca,
e por isso não vê além,
abstém-se do bom juízo
e da coerência faz desdém.
Mas nem sabe que isto faz
com seu argumento fugaz,
pois lhe falta a consciência
que enaltece a natureza,
que favorece a grandeza
e aprimora a convivência.

A beleza do raciocínio
e a clareza do pensamento
requerem terreno fértil,
ideias em grãos, a contento.
Em solo que brota torrão
devido fraqueza do chão,
nenhuma cultura avança.
Terra assim tem que ter antes
bom húmus e fertilizantes
para a flor ter esperança.

Cuidem, pois, de suas mentes
como solo a se adubar,
nutrindo-as devidamente
com bom saber, pra bem pensar.
A que erva daninha alguma
em jardim nenhum forme bruma
e bons gérmens possam brotar.
A que o valor da humildade
junto à força da boa vontade
façam a coerência ganhar.


J.R.Jerônimo 23.06.2016