São Jorge e o dragão

Ivan da Cunha


18.02.2012

Certa vez um andarilho resolveu mudar de cidade a fim de tentar melhor sorte em outro local. Como não tinha recursos, começou sua jornada caminhando por uma das maiores estradas do estado. Passados alguns dias estava faminto e exausto quando avistou um posto de combustível destinado a caminhoneiros. Neste local estes trabalhadores além de abastecerem seus veículos, tomam banho, alimentam-se e repousam por algumas horas.

O local tinha uma pequena estalagem e lhe chamou a atenção o nome do estabelecimento “São Jorge e o Dragão”. Resolveu bater a porta quando uma mulher com visível mau humor lhe atendeu: - O que deseja?

- Minha Senhora, estou caminhando há dois dias sem nada comer, não teria algo que pudesse me oferecer?

A mulher demonstrando profunda irritação lhe diz: - Mas o senhor é um vagabundo mesmo! Não tem mais o que fazer do que incomodar os outros? Ponha-se daqui para fora imediatamente... (e lhe bateu a porta na face com violência).

O pobre andarilho assombrou-se com a reação inesperada. Deu alguns passos para trás, olhou novamente o nome da estalagem, “São Jorge e o Dragão”, e resolveu bater novamente a porta.

Desta vez a mulher já o atendeu com a vassoura em mãos e irada lhe perguntou: - E agora o que deseja?

Respondeu-lhe o andarilho: - Bem, com a senhora eu já falei, poderia agora falar com São Jorge, afinal o dragão já me atendeu não é?

Esta pequena história nos adverte sobre as fraquezas que ainda temos e precisam ser controladas. Geralmente quando somos incomodados e retirados de nossa zona de conforto quem primeiro atende a nossa porta é nosso dragão interior. Reagimos frente à grande maioria dos desafios de nossas vidas com irritação e azedume.

Desta forma nos cegamos frente às oportunidades que se apresentam nestes instantes e quando permitimos que nossos piores sentimentos sejam os primeiros a atender nossas necessidades uma montanha de problemas são gerados, portas são fechadas, amizades e lares são destruídos.

Controlar nossas atitudes intempestivas não é tarefa fácil e exige disciplina para que certos vícios de comportamento sejam domados. Resumindo, precisamos educar nosso íntimo.

Portanto, entender nossas emoções e lutar para corrigir certos temperamentos é medida acertada que evita dissabores e trás paz interior. E somente em paz podemos usufruir melhor dessa bela jornada chamada vida.

Pense nisso!


Venha debater estes e outros assuntos no blog do autor: http://ivandacunha.wordpress.com
No BLOG você também encontra a coletânia de textos do Boletim Espírita "O Homem no Mundo"
Para indicar este boletim a um amigo envie um e-mail para: icunha@uol.com.br
Enviado pelo autor em 17.02.2012

(O texto publicado neste espaço é de responsabilidade e direito de seu autor e não precisa, exatamente, refletir a opinião deste site.)


Comentário

 

Nome: 
E-mail:  
Ao enviar seu comentário, automaticamente você está autorizando sua publicação,
que poderá ocorrer ou não, conforme critérios ético e moral.